Lisboa – Parte 3

Terceira parte da minha saga pessoal de seis meses em Lisboa.

Janelas de Alfama

Crise!

A União Européia instituiu o euro em janeiro de 2002. Já faz quase 10 anos, mas parece que eles ainda não acostumaram sua economia à unificação da moeda.

Não sou nenhum economista – muito pelo contrário -, mas parece que é tudo relacionado com o câmbio, que devia flutuar de acordo com a produção, mas acaba se mantendo preso às definições continentais. Algo complexo demais para eu entender bêbado e chato demais pra eu me preocupar sóbrio.

A crise se espalhou. Países mais fracos, como a Grécia (ou meu Portugalzinho) foram os primeiros a sentirem. A situação ficou tão ruim que surgiu um bloco chamado “PIIGS”, composto pelas iniciais dos países nele pertencentes: Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha. O nome PIIGS também é uma associação a “Porco”, que implica que a coisa nesses países anda tão ruim quanto no time do Palmeiras.

A Grécia é atualmente o lugar que tem a situação mais delicada. A situação por lá anda tão ruim que eles já até ameaçaram abandonar o euro. O país está juntando os cacos, como sempre fazem após um casamento. Os portugueses olham atentamente a situação da Grécia: sendo o segundo país mais fraco do bloco, a decadência de um vai automaticamente empurrar o outro pra baixo.

A crise em Portugal deve ser abrandada agora com uma ajuda externa do FMI. Algumas outras medidas emergenciais estão sendo tomadas para suprir o atual rombo da economia, o que inclui um imposto extra extraordinário no décimo terceiro salário de todos os portugueses; um imposto pesado, de 50% de tudo o que for acima do salário mínimo.

Alguns portugueses mais desesperados já estão trocando piadas por comida.

Mas a coisa não anda feia só na terrinha. Ainda na península ibérica, uma revolta popular tomou conta das ruas de Madrid exigindo algumas mudanças políticas no sistema de votação da Espanha. O protesto se espalhou até aos espanhóis residentes em Lisboa que, em maio, para apoiar os compatriotas, fizeram um acampamento na praça do Rossio em Lisboa, extendendo o protesto. A Espanha segue com uma taxa de 20% de desemprego e uma série de protestos pelo país.

Até países com uma economia forte e boa produção, que não fazem originalmente parte do PIIGS estão começando a sentir os efeitos da crise européia, como a França.

Entre os problemas políticos é estranhamente curiosa a situação da Bélgica. A Bélgica é um país bizarro. Ela é composta de uma metade francesa, uma metade propriamente belga e uns pedaços alemães, incorporados depois da Segunda Guerra (ou algo do tipo). A Bélgica possui então, um governo e um parlamento distinto para cada uma dessas partes. E elas devem entrar em acordo para formar um governo belga centralizado. Obviamente que fazer três parlamentos entrarem em acordo é como resolver uma pendência entre duas garotas brigadas entre si, só que sem a ajuda de uma luta no gel bem organizada. É por isso que a Bélgica já está há mais de 400 dias sem governo – e não parece que vai conseguir se organizar politicamente em um futuro tão imediato. Durma com um barulho desses.

Tão grande como a crise é a crença européia de que agora o Brasil é o país da vez. “O que diabos você está fazendo aqui? Se eu pudesse, eu iria mesmo era pro Brasil”, me disseram várias pessoas sem perceber que eles realmente podem ir pro Brasil. O país está realmente crescendo, mas ainda assim estamos sendo altamente superestimados por aqui.

Problemas políticos e corrupção definitivamente não é algo exclusivamente brasileiro. O que é vergonhoso mesmo é a forma como os políticos da República das Bananas se sentem livres e eternamente impunes, e a forma como os brasileiros são tratados como bestas. Crise nenhuma em país nenhum se assemelha a isso.

E assim a economia européia segue em uma ligeira decadência; Os Estados Unidos possuem uma dívida astronômica e a Inglaterra teve problemas sérios com a violência assolando as ruas… O Brasil pode ainda não ter virado primeiro mundo… Mas parece que o primeiro mundo virou Brasil.

Minha segunda casa

A vida de desabrigado seguia e eu não podia depender da boa vontade de amigos pelo resto de minha estadia em Lisboa – principalmente porque todos estavam indo embora e a quantidade de casas dispostas a oferecer um pedaço de chão para um brasileiro dormir se reduzia como virgens em um carnaval.

Voltei então ao site que oferecia habitações a estudantes. Com tantas pessoas indo embora, não deveria ser difícil encontrar uma nova casa disponível, em uma boa localização e a um preço acessível. Realmente não foi.

Aluguei rapidamente um quarto absurdamente bem localizado, em um apartamento no Baixa-Chiado, na região central de Lisboa, a 100m de duas linhas de metrô e com vista para o Castelo de São Jorge. O apartamento era habitado por três italianos divertidíssimos – e eu, que estava me dedicando a tentar aprender francês, mandei a língua às favas em troca de estudar italiano (lógico que, a partir do momento que eu tentei aprender duas línguas ao mesmo tempo eu consegui habilmente não aprender nenhuma).

Como bons italianos, meu período na segunda casa foi a época que eu mais me alimentei. Quase toda noite vinham visitas novas para comer alguma coisa – em 100% das vezes era massa, geralmente com atum. Atum era o combustível que impulsionava nossas vidas.

Os italianos eram pessoas ótimas. Massimo, de Torino, um dia me disse que o almoço dele se baseava em bolachas com atum. Quando perguntei se ele colocava uma maionese, pra ficar pastoso, ele foi direto. “Não! Atum tem que ser puro. Sou conservador.”

Jantar em casa

Mais um típico jantar baseado em massa com atum

Jack e Jacopo eram os outros dois habitantes da casa. Ao contrário das outras residências que eu fiquei, os italianos não eram estudantes, mas estavam em Lisboa trabalhando – apesar da faixa de “Greve Geral” que seguia estendida em nossa sala. A rotina então era menos acadêmica, o que incluía os moradores acordando cedo e, por vezes, até lavando a louça.

Tal qual nas outras casas, porém, essa também recebia constante visitas que dormiam na sala. Às vezes de amigos que moravam em Lisboa mesmo, mas não numa região tão central quanto nós (que estávamos a 3 minutos do Bairro Alto, central da boêmia Lisboeta). Outras vezes eram francesas que alguém conheceu na praia, italianos viajando a Europa de moto ou embriagados amigos brasileiros meus que vieram me resgatar e levar para a Oktoberfest.

Lamento o fato de só ter ficado dois meses nessa casa. Foi uma casa que se mostrou muito acolhedora, não só a mim, mas a todos que agüentavam subir os cinco andares de escada que levavam até ela.

Pelo Tejo vai-se para o mundo

Parece incrível pensar que eu fiquei só seis meses morando em Lisboa. Às vezes parece que foram anos, outras vezes parece que tudo passou tão rápido quanto uma ejaculação precoce. A pessoa perdida que chegou aqui em fevereiro é inefavelmente diferente da pessoa ainda perdida que está deixando Lisboa em setembro.

Eu nunca fui um cara sentimentalista. Muito pelo contrário, eu sempre me achei completamente desprovido de emoções. Mas foi curiosíssima a montanha-russa que se passa estando sozinho longe dos amigos e da família. Por diversas vezes me vi sozinho, triste e deprimido para, 15 minutos depois estar eufórico, animado e ansioso com alguma coisa. Essa montanha-russa parece constante. É como se meu estado psicológico tivesse finalmente despertado e ficasse pulando feito um retardado, por vezes chutando, outras afagando o meu hipocampo, quase causando uma pane em meu sistema límbico.

Aprendi a ser organizado. Aprendi a controlar meu dinheiro.

Tive uma aproximação muito maior de alguns amigos no Brasil. Parece que ter ido para longe de certas pessoas só nos fez ficar mais próximos.

Meus amigos do Brasil são um caso particular. A família é obrigada a nos agüentar pelo resto da vida, então eles não vão conseguir se livrar de mim. Os amigos não. Por isso que eu me senti muito fortalecido por tudo que meus amigos fizeram por mim. Eu sinto que, se eu voltasse para casa agora, seria como se eu nunca tivesse saído – acho que a proximidade com algumas pessoas que eu deixei até aumentou.

Também fiz ótimos amigos em Portugal – não só em Lisboa, mas espalhados por este pequeno país. Com o tempo, aprendi a gostar desta malta fixe que atende o telemóvel dizendo “Estou?”.

Amo Lisboa e a cidade me acolheu estupidamente bem. Mas no final de agosto, a vista do Castelo de São Jorge já não me impressionava como antes. Já conhecia o horário dos bondinhos, as pedras soltas da calçada da Rua Augusta e já não me perdia nos labirintos de Alfama.

Agora era a hora de eu ir embora.

E eu fui.