Alex Silva: A imagem do Brasil

Deixa eu compartilhar uma basófia que se sucedeu há um tempo atrás.

ahn?

Eu estive em Estocolmo a trabalho. A viagem era custeada pela empresa, incluindo a alimentação, então nessas ocasiões eu procuro me alimentar de coisas que eu geralmente não como, por exemplo: comida de verdade.

Na noite de uma agradável terça-feira, fui a um restaurante. Eram cerca de 20h e o sol ainda brilhava feliz da vida no céu sueco. Escolhi um lugar não muito hedonista, apenas tinha algumas coisas que eu não estou acostumado a ter nos lugares em que eu geralmente me alimento, como talheres limpos. Fui atendido por um garçom de aparência ligeiramente árabe-européia, provavelmente oriundo de um país mais peculiar, como Bulgária ou Sérvia. Comi um belo bife e, na hora de pagar a conta, como ele viu que eu só falava inglês (com um sotaque ligeiramente turístico), decidiu que seria maravilhoso conversar comigo.

Acompanhem a versão traduzida do diálogo:

РVoc̩ ̩ daonde?
– Brasil
– Oh! Brasil… Alex Silva! Conhece ele?
– O jogador?
– É.
– Conheço…
– É… Grande jogador… Tem também o Roberto Carlos!
– Roberto Carlos? Mas já é velho.. hoje em dia tem o Neymar – (não que eu goste realmente do Neymar, mas eu não estava gostando do rumo futebolístico da conversa)
– Sim… Você gosta do Neymar?
– Olha… eu prefiro o Kaká – (porque eu disse isso?)
– Tem também o Rincón.
– Rincón? – aí ele pegou pesado… eu ergui uma sombrancelha (ou as duas, não sei, eu não estava me vendo) – O Rincón é boliviano! – (eu sei que ele é colombiano, mas no susto da situação eu tenho quase certeza que alterei a nacionalidade do negão. Eu precisava tirar ele do Brasil!)
– É.. é… É de uma cidade muito pequena. – disse ele fazendo um sinal de pequeno com as mãos.

Eu desisti da conversa aí. Saí meio confuso do restaurante e depois de algumas esquinas me distrai com uma coletânea de loiras de olhos azuis que passavam de shortinhos.

Abraços ao Rincón, que patrocinou a portuguesa com o seu café.

Lembrando que o Rincón, depois de se aposentar do futebol, associou seu nome a uma marca de café. É uma tentativa comum entre os colombianos a de ganhar dinheiro com pó.

Porque não é considerado racista dar um nome de um negro a um café, mas seria se a gente desse um apelido de café a um negro?