Do problema de usar a Primeira Guerra como cenário para histórias heróicas…

Por algum motivo magnífico, a Primeira Guerra Mundial assumiu uma posição de maior destaque na cultura pop recente. Em meio ao seu aniversário de 100 anos, ela está mais presente por aí, como nos recém lançamentos Battlefield 1 ou no filme da Mulher Maravilha.

Gal Gadot Maravilha

É uma grande mudança em relação às últimas décadas, aonde a Segunda Grande Guerra era o cenário favorito. Pense nas maiores produções pop dos últimos tempos: os games de fps que começaram com Medal of Honor e Call of Duty, os Battlefields que começaram em 1942 – games cuja evolução foi trazer aos tempos atuais, pulando a Guerra do Vietnã e colocando em um cenário moderno. Os filmes e séries mais populares também são nela ambientados, como o Resgate do Soldado Ryan, Band of Brothers, e até os mais recentes Inglorious Bastards e Dunkirk.

As razões para esse favoritismo de priorizar a Segunda Guerra são um tanto quanto óbvias: inicialmente temos o tamanho do conflito. Nenhuma guerra jamais atingiu proporções tão globais e gigantescas como ela. Em todos os sentidos: países envolvidos, tempo de conflito, número de mortes… (ver: http://www.fallen.io/ww2/). Assim, pelo tamanho e tempo que levou, há uma infinidade incrível de histórias a serem contadas.

Mas um outro motivo ainda mais forte para histórias da Segunda Guerra serem tão populares: ela é uma guerra fácil de ser entendida. Os inimigos e as motivações são bem claros. Não importa sua nacionalidade, sua posição política, sua religião, sua cor… os inimigos da Segunda Guerra jamais podem ser outros do que os nazistas. Os heróis são bem claros e é um maniqueísmo delicioso para se contar uma história. Nem mesmo alemães são capazes de torcer contra o Capitão América quando ele sai matando nazistas. Continuar lendo

O Holocausto africano (ou “Ensaio sobre o Perdão”)

Um homem passeia com seus bodes na Ruanda de hoje

Um homem passeia com seus bodes na Ruanda de hoje

O genocídio que aconteceu em Ruanda no recentíssimo ano de 1994 foi sem dúvida uma das maiores tragédias da humanidade e é a prova definitiva de como foi catastrófica a colonização belga no continente africano. Até hoje, 20 anos depois, não se tem uma idéia precisa do número de mortos, mas a estimativa é entre 500 mil e 1 milhão de vítimas, sendo que o valor mais usado pelos livros é de 800 mil. É um número assustador, podendo ser comparado com o holocausto que ocorreu durante a Segunda Guerra, porém com alguns agravantes: Hitler precisou de seis anos para matar 6 milhões de judeus, o que dá uma média mensal de 83 mil mortes por mês, com o uso de eficientes máquinas de assassinato em massa, como câmaras de gás; o massacre de Ruanda foi três vezes mais rápido e feito à base de armas brutais e rudimentares, como machadinhas e facões. Continuar lendo

Too much

E, de repente, todo mundo gosta de salada…

O tomate é uma fruta (há controvérsias), da espécie Solanum lycopersicum e da mesma família do pimentão e da pimenta (que, supostamente, também seriam frutas). Devido ao aumento do preço nos últimos meses, o fruto, conhecido na Alemanha como “maçã do paraíso”, virou sensação nas redes sociais e na mídia. Afinal, depois que se transformou em sinal de status, todo mundo passou a gostar de salada.

Tomates! Não!

Tomates! Não!

Mas a história do tomate é muito mais ampla e interessante do que parece. Pra começar, não é só o preço que é venenoso: O caule e as folhas possuem glicoalcalóides, uma substância tóxica que causa fraqueza, confusão e pode levar ao coma e à morte.

Robert Johnson

A bem da verdade, durante muito tempo na América, acreditou-se que o tomate era mortalmente venenoso. Até o dia 26 de setembro de 1920, quando o Coronel Robert Gibbon Johnson, um cidadão honorário do condado de Salem, em New Jersey, subiu as escadarias da prefeitura e, na frente de um público que acredita-se ter chegado a milhares de pessoas, fez um ato de coragem desmedido para os padrões da época e comeu um tomate inteiro. Inteiro.

Consigo imaginar a sociedade conservadora tomatofóbica da época, abismada com a ousadia daquele rapaz, xingando muito nos pombos correios e postando revoltadas mensagens em muros com os dizeres “Robert Johnson não me representa”. Um camponês da época iria declarar “Aonde vai parar esta sociedade? Hoje comemos tomates e amanhã homens estarão fazendo sexo com outros homens!”

Evidentemente, o senhor Johnson não morreu (não naquele dia e não por causa de comer tomates – espero), e o povo (mesmo aquela parcela mais religiosa da população) começou a perceber que tomate não é venenoso e, mesmo que alguém não gostasse dele, ter outra pessoa comendo não afeta em nada a liberdade alheia, e continuaram suas vidinhas, agora com ketchups, bolonhesas e molhos de pizza presentes numa sociedade evidentemente mais feliz. Continuar lendo

A grande revolta da cerveja

É engraçado como cada país da Europa têm os seus hábitos etílicos bem definidos: a Escócia tem sua paixão por uísque, a Bélgica tem suas cervejas trapistas, a França e seus vinhos, a Alemanha e suas weiβbier, a Inglaterra e suas “real ales” a Rússia e a Polônia com suas vodkas e a Irlanda consumindo em excesso qualquer coisa que contenha alcóol, deixando irlandeses bêbados buscando brigas em bares.

A cerveja é uma parte importantíssima da vida cotidiana alemã. Hitler instituiu as reuniões do partido nazista em uma cervejaria. Ele mesmo não bebia, mas sabia que se quisesse captar a atenção do povo, o lugar que ele teria que ir eram os bares. Em Munich, todo trabalhador tem o direito de beber até 500ml da bebida em horário de trabalho. Um dos mais antigos decretos alimentares do mundo é a Reinheitsgebot, a lei da pureza da cerveja alemã, promulgada em 1516 e válida até hoje.

De todas as cidades alemãs, Munich é certamente a minha favorita. Sou fã das tradições bavárias, da arquitetura antiga e reconstruída da cidade, das biergartens, da Oktoberfest, das “alemãzinhas de olhos lindos, meu amor!” e das histórias e lendas em torno da cerveja. Uma de minhas histórias preferidas remete ao ano de 1823, durante o reinado do meu rei alemão favorito: Ludwig I.

Ludwig I

Ludwig I, pelo que parece, muito antes da invenção do pente.

Continuar lendo

Alex Silva: A imagem do Brasil

Deixa eu compartilhar uma basófia que se sucedeu há um tempo atrás.

ahn?

Eu estive em Estocolmo a trabalho. A viagem era custeada pela empresa, incluindo a alimentação, então nessas ocasiões eu procuro me alimentar de coisas que eu geralmente não como, por exemplo: comida de verdade.

Na noite de uma agradável terça-feira, fui a um restaurante. Eram cerca de 20h e o sol ainda brilhava feliz da vida no céu sueco. Escolhi um lugar não muito hedonista, apenas tinha algumas coisas que eu não estou acostumado a ter nos lugares em que eu geralmente me alimento, como talheres limpos. Fui atendido por um garçom de aparência ligeiramente árabe-européia, provavelmente oriundo de um país mais peculiar, como Bulgária ou Sérvia. Comi um belo bife e, na hora de pagar a conta, como ele viu que eu só falava inglês (com um sotaque ligeiramente turístico), decidiu que seria maravilhoso conversar comigo.

Acompanhem a versão traduzida do diálogo:

– Vocé é daonde?
– Brasil
– Oh! Brasil… Alex Silva! Conhece ele?
– O jogador?
– É.
– Conheço…
– É… Grande jogador… Tem também o Roberto Carlos!
– Roberto Carlos? Mas já é velho.. hoje em dia tem o Neymar – (não que eu goste realmente do Neymar, mas eu não estava gostando do rumo futebolístico da conversa)
– Sim… Você gosta do Neymar?
– Olha… eu prefiro o Kaká – (porque eu disse isso?)
– Tem também o Rincón.
– Rincón? – aí ele pegou pesado… eu ergui uma sombrancelha (ou as duas, não sei, eu não estava me vendo) – O Rincón é boliviano! – (eu sei que ele é colombiano, mas no susto da situação eu tenho quase certeza que alterei a nacionalidade do negão. Eu precisava tirar ele do Brasil!)
– É.. é… É de uma cidade muito pequena. – disse ele fazendo um sinal de pequeno com as mãos.

Eu desisti da conversa aí. Saí meio confuso do restaurante e depois de algumas esquinas me distrai com uma coletânea de loiras de olhos azuis que passavam de shortinhos.

Abraços ao Rincón, que patrocinou a portuguesa com o seu café.

Lembrando que o Rincón, depois de se aposentar do futebol, associou seu nome a uma marca de café. É uma tentativa comum entre os colombianos a de ganhar dinheiro com pó.

Porque não é considerado racista dar um nome de um negro a um café, mas seria se a gente desse um apelido de café a um negro?

Janela hipotética

“Eu fechei a janela? Devo ter fechado. Eu sempre fecho. Não vou lá agora, sair do carro, fechar o carro, entrar em casa, só pra ver uma porcaria de janela. É muito trabalho. O foda é que agora eu vou ficar a tarde inteira com a dúvida se eu fechei a janela ou não. Bosta!

“Se eu quiser confirmar isso, tenho que virar aqui agora. Vou virar… Não. Foda-se. Agora vou ficando cada vez mais longe e não vou mesmo voltar só pra ver isso. Não vai chover hoje também. O tempo tá bonito. Se bem que ontem também estava e choveu. Ah, mas mesmo se chover não vai ter problema: o que eu tenho perto da janela que não pode molhar? Talvez a televisão. Não, mas tem que chover com uma ventania muito forte para a água atingir a televisão. Não tem perigo. Se chover, só vai inundar o chão. E minha mesinha. Mas também não tem nada em cima da mesinha.

Continuar lendo

Dose

– Você tá tumultuando aqui e não pode ficar aqui não!

– Hein?

– Eu disse que você tá tumultuando aqui e não pode ficar aqui não!

– Meu senhor, você sabe com quem você tá falando?

– Um espertalhão, é?

– Eu sou o garçom, porra!

– Ah… Nesse caso me dá mais uma cerveja!

Aquilo já era demais. Mathias não era pago praquilo. Ele olhou ao seu redor pelo bar onde trabalhou nos últimos dois anos. O cenário era de caos. Aquilo lhe dava asco. Sorriu ao pensar que caos e asco eram anagramas. Começou a pensar em outros anagramas possíveis daquelas letras… “caso”, “soca”, “ocas”… Talvez ele tivesse encontrado a palavra com o maior número de anagramas do mundo.

– Ô campeão! Uma cerveja! – o chamado lhe acordou de seu devaneio linguístico. Acidentalmente ele olhou para o cliente. Um erro. Mathias gostava de passar pelas mesas com o olhar fixo no horizonte, ignorando todos os chamados, anotando mentalmente as alcunhas pelas quais era chamado. “chefia”, “bigode”, “amizade”, “diretoria”, “barão”, “Isvêncio”, “malandragem”, “Mathias”. Ele odiava quando os clientes o chamavam pelo nome: era mais difícil ignorar.

– Chefia! Campeão!! Cervejaaaa!!! – Mathias começou a divagar se não estava já divagando demais quando percebeu que aquilo ia levar a um ciclo terrível, então respondeu:

– Senhor, o senhor não acha que já bebeu demais não?

– Acho sim, obrigado por perguntar! Pode me dar mais uma cerveja, por favor?

– Olha, talvez não seja apropriado… ei! ei! Sai daí!

A conversa teve que ser interrompida para que Mathias interrompesse um bêbado que se debruçava por cima do balcão e bebia diretamente da torneira da choppeira. Depois tratou de expulsar um senhor idoso que estava na adega, tratando de servir-se de uma dose de tequila por conta própria, derrubando sal em absolutamente todo lugar. A situação estava incontrolável. Encontrou o outro garçom, Johnny, caído ao fundo da cozinha ainda com sua garrafa de Natasha em mãos. Um anão de terno estava amarrado em cima da geladeira enquanto uma mesa com voluptuosas garotas e admiráveis gordões já estavam vermelhos de tanto rir.

Era demais. Mathias tirou seu avental e o deu a um magrelo que estudava o funcionamento de um abridor de garrafas “Pega. Você é o garçom agora.” Dirigiu-se aos fundos, entrou na sala do dono sem bater. A sala não passava de uma despensa, com a parede repleta de pôsters centrais de revistas masculinas e calendários pregados, um por cima do outro desde 1936. O dono jazia dormindo em sua cadeira, ao lado de uma fétida mesa em decomposição sobre a qual descansavam duas garrafas de uísque quase vazias. Socou a mesa e gritou furioso:

– Chega! Não aguento mais gente bêbada! Eu sou um trabalhador saudável, faço exercícios todas as manhãs. Corro. Não tomo nem refrigerante. Minha profissão vai contra tudo aquilo que eu tenho como princípios. Não aguento mais servir as pessoas para que elas se embebedem. Estou me demitindo. – O dono não acordou.

Saiu do bar pensando em chegar em casa, tomar um banho e preparar para si mesmo o melhor omelete de queijo que pudesse. Era uma celebração. Sem mais delinqüentes alcóolatras durante a noite!

…O omelete de queijo, entretanto, nunca chegou a ser preparado. Atravessando a rua ao sair do bar, Mathias foi atropelado e veio a falecer algumas horas depois no hospital. De acordo com a perícia, o motorista estava embriagado.

Xeque mate

Eu estou no papo de homem!

Este blog está meio carente de atualizações ultimamente, mas eu ainda estou acertando minha vida aqui… Textos novos virão. E ele não é um blog de 1,3 milhão de reais e eu não sou tão bonito quanto a Maria Bethânia, mas sou indubitalvemente mais barato e um talvez um pouco mais babaca.

De qualquer forma, se você ainda não viu meu texto publicado no Papo de Homem vai lá dar uma olhada. O pessoal tá gostando e talvez trechos dele sejam usados no próximo ENEM. Do jeito que essa prova está desmoralizada mesmo, eu não duvido.

Clica aí pra ler o texto, rapaz!

Paulo Velho vai ao médico

Eu não gosto de médicos. Nada particular contra a pessoa (ou a profissão) médica – exceto quanto à forma desleixada como eles cuidam de seus jalecos -, mas consultas médicas me dão preguiça: Senta na maca; tira a camisa; respira fundo; vou medir sua pressão; abre a boca; língua pra fora; é só uma virose.

Kermit's X Ray

Sente-se, Caco. O que eu vou lhe mostrar pode ser um choque.

Por isso que eu não costumo ir muito a médicos, apesar de mamãe insistir tanto. Acabo indo no médico só quando tenho algum ferimento grave ou uma febre brutal ou quando sou atacado por um urso ou quando meu coração me dá pontadas por mais de 3 meses sem razão aparente. Mesmo assim, essas poucas vezes que fui ao médico renderam alguma situações inusitadamente curiosas… Continuar lendo

Yeah Yeah, Glu Glu!

MALLANDRO, Serginho. Ao lado da pastinha do “Meus Documentos”, um dos ícones mais marcantes de nossa geração. Ex-jurado do Show de Calouros. Candidato a vereador não eleito. Precocemente eliminado d’A Fazenda. Criador do “Yeah yeah glu glu”.

Sérgio Mallandro e amigos

Sérgio Mallandro e amigos

Vou aproveitar o momento que o Mallandro ainda tá na mídia para contar a história do dia em que eu o conheci – e que faz parte da série de reportagens sobre meus encontros com as pessoas mais influentes do mundo.

Continuar lendo