A grande revolta da cerveja

É engraçado como cada país da Europa têm os seus hábitos etílicos bem definidos: a Escócia tem sua paixão por uísque, a Bélgica tem suas cervejas trapistas, a França e seus vinhos, a Alemanha e suas weiβbier, a Inglaterra e suas “real ales” a Rússia e a Polônia com suas vodkas e a Irlanda consumindo em excesso qualquer coisa que contenha alcóol, deixando irlandeses bêbados buscando brigas em bares.

A cerveja é uma parte importantíssima da vida cotidiana alemã. Hitler instituiu as reuniões do partido nazista em uma cervejaria. Ele mesmo não bebia, mas sabia que se quisesse captar a atenção do povo, o lugar que ele teria que ir eram os bares. Em Munich, todo trabalhador tem o direito de beber até 500ml da bebida em horário de trabalho. Um dos mais antigos decretos alimentares do mundo é a Reinheitsgebot, a lei da pureza da cerveja alemã, promulgada em 1516 e válida até hoje.

De todas as cidades alemãs, Munich é certamente a minha favorita. Sou fã das tradições bavárias, da arquitetura antiga e reconstruída da cidade, das biergartens, da Oktoberfest, das “alemãzinhas de olhos lindos, meu amor!” e das histórias e lendas em torno da cerveja. Uma de minhas histórias preferidas remete ao ano de 1823, durante o reinado do meu rei alemão favorito: Ludwig I.

Ludwig I

Ludwig I, pelo que parece, muito antes da invenção do pente.

Continuar lendo