O caminho para Abkhazia

Em julho de 2016, estive na Abkhazia para fazer minha primeira cobertura jornalística, na Copa de Futebol do Mundo, organizada pela CONIFA. A matéria final foi publicada na revista SuperInteressante de setembro/2016, edição 365. (link).

No começo da década de 90, após a dissolução da União Soviética, a Georgia conseguiu sua independência. Menor que o estado de Santa Catarina e localizada a leste do Mar Negro, fazendo fronteiras com a Rússia ao Norte, Turquia e Armênia ao Sul, Azerbaijão a Leste e banhado pelo Mar Negro ao Oeste, o país está em uma região aonde começa a ficar obscuro se estamos na Europa ou na Ásia.

As tensões entre Rússia e Georgia, entretanto, não cessaram com a independência. Em 2008, a crise diplomática entre os dois países explodiu em uma guerra, resultando em algumas centenas de mortos (ambos os lados divergem entre os números) e alguns milhares de refugiados – em sua maioria, georgianos que foram expulsos das regiões separatistas.

A Abkhazia é uma dessas regiões. Ligeiramente maior do que o Distrito Federal e com uma população de pouco mais de 200.000 habitantes, ela virou um popular destino de turistas da classe média russa, que fazem uso de seus resorts e praias. A Abkhazia declarou sua própria independência em 1999, apesar dela só ser reconhecida como um país por Rússia, Nicaragua, Venezuela, Nauru (uma ilha da Micronésia), e dois outros territórios separatistas: Transnistria na Moldova e South Odéssia (a outra região separatista da própria Georgia).

outdoor em Sukhumi anuncia o evento

outdoor em Sukhumi anuncia o evento

A Copa do Mundo de não países
“Cara, vai ter uma Copa do Mundo de não-países”, disse Alain, quando eu fui visitá-lo em Köln em janeiro de 2016. Oras, esse é exatamente o tipo de evento que me chama a atenção. Entrei no site oficial do evento (http://worldfootballcup.org/) atrás de tickets, mas me deparei com uma mensagem dizendo que os tickets online só seriam disponibilizados posteriormente (no final nunca foi possível comprá-los pela internet). Havia porém um link para “media accreditation”, o qual eu fui petulante o bastante para clicar e enviar uma requisição. Foi assim, depois de convencer a organização que eu era um jornalista freelancer que eu consegui uma credencial de imprensa pela primeira vez em minha vida.

Não tive alternativa senão começar a planejar a melhor forma de chegar à Abkhazia. Porém não é uma tarefa tão simples. O aeroporto de Sukhumi, único público do país, não recebe muitos vôos internacionais e as fronteiras são complicadas de ultrapassar. Nem a internet ajudou nessa tarefa: não é um destino turístico muito popular e raríssimas páginas exibiam dicas em outras línguas que não fossem russo.

Continuar lendo

Entrevista com Sascha Düerkop

Em julho de 2016, estive na Abkhazia para fazer minha primeira cobertura jornalística, na Copa de Futebol do Mundo, organizada pela CONIFA. A matéria final foi publicada na revista SuperInteressante de setembro/2016, edição 365. (link).

entrada dos jogadores na grande final

Na ocasião, como jornalista amador, consegui fazer uma entrevista com o secretário geral da CONIFA, o alemão Sascha Düerkop. “Ah, você mora em Berlim! Vou finalmente poder conversar com alguém na minha língua materna?” exclamou ele, com felicidade, ao me encontrar pela primeira vez. Mas não. Meu domínio da língua germânica ainda é pior do que minhas capacidades jornalísticas, então a entrevista ocorreu em inglês mesmo, na tarde de um sábado, na sala de imprensa do estádio de Sukhumi durante o período de intervalo entre dois jogos.

Sascha foi extremamente simpático e atencioso e muito da entrevista pôde ser aproveitado na matéria final. A seguir, a entrevista completa:

Screen Shot 2016-08-10 at 17.08.35Entrevista com Sascha Düerkop
Secretário geral da CONIFA
(julho/2016)

PAULO VELHO: A FIFA possui 211 associações. Isso é muito mais do que a quantidade de países reconhecidos pela Nações Unidas. Isso é porque a FIFA tem diferentes definições sobre “o que é um país”. Como isso funciona para a CONIFA? O que a CONIFA considera um país?
SASCHA DÜERKOP: Nosso principal conceito sobre esse assunto é perguntar às pessoas sobre com o quê elas se identificam. Então são os times que mandam as aplicações para nós e deve haver um certo grupo de pessoas representados por eles. Deve haver uma identificação entre um povo e nação que os representam na CONIFA. A FIFA possui regras diferentes da ONU, o Comitê Olímpico também tem regras diferentes, então realmente não há uma definição clara do que é um país ou uma nação. Então o que fazemos é perguntar aos times, perguntar às pessoas “Com o que vocês se identificam? O que vocês sentem que são em seus corações?” e eles podem formar uma seleção nacional e com isso enviar a inscrição para a CONIFA. Continuar lendo

Futebol Americano

Eu nunca compreendi perfeitamente o futebol americano. As regras são muito complexas e dependem muito de critérios meio subjetivos, que incluem faltas por “força desnecessária” e zonas imaginárias aonde os jogadores podem ou não lançar a bola.

Tal como as mulheres, a apreciação deve ocorrer ignorando-se as partes que não conseguimos entender. Basta saber que a o esporte é uma mistura de pega-pega, sumô e rouba-bandeira. A base dele é a conquista de território, definido por “jardas“, unidade de medida em que cada jarda corresponde a 0,9144 metro.

Superbowl-2010-gay-randal-funny

Continuar lendo

Paraolimpíadas

Um pouco mais renegada do que sua irmã com todos os braços, as Para-Olimpíadas ocorrem desde 1960. No mesmo país sede e depois das Olimpíadas, o evento é uma amostra de superação humana, com competições envolvendos atletas deficientes, sem braços, pernas, cegos, anões, com problemas mentais e fãs de Crepúsculo.

É inspirador e interessantíssimo assistir essas pessoas fazendo coisas que eu não conseguiria fazer nem se tivesse o dobro de braços que tenho. Nadadores e corredores sem pernas ou atiradores de flecha sem braços. Faltou as competições de tiro ao alvo para portadores de Mal de Parkison, mas isso deve ser incluído nas paraolimpíadas futuras.

Fui então no ExCel Arena em Londres para poder acompanhar as provas, em um dia de competição. Comprei um “day pass” que me dava direito a acompanhar todas as modalidades que estivessem em curso na arena no dia. Comecei então pelo tênis de mesa, simplesmente porque era mais perto da entrada.

Para-Ping-Pong

Oito mesas de ping-pong estavam dispostas no estádio, com partidas ocorrendo simultaneamente. Dividido por categorias, algumas mesas com menos espaço livre eram dedicadas aos competidores em cadeiras de rodas. Quando entrei, um anão coreano disputava contra um holandês que parecia ser albino. Alguns jogos começaram pouco depois, incluindo um jogo muito dinâmico entre um atleta da Suécia e um da Áustria – ambos sem uma das mãos. Perto deles, um chinês com dificuldades de locomação jogava contra um espanhol sem qualquer deficiência aparente – devia estar lá por ser judeu ou algo do tipo. Continuar lendo

O legado Olímpico

No longínquo ano de 2005, concorriam com Londres o direito de sediar as Olimpíadas de 2012 Paris, New York, Moscou e Madrid.

Paris 2012

Paris 2012… perdeu, Monsieur

Não consigo imaginar quão terrível estaria a economia espanhola agora se, além de todos os problemas enfrentando a atual crise, eles ainda tivessem que se preparar para uma Olimpíada. A França, também tentando fugir de uma crise, está em um atual processo de reformulação política e é certamente melhor que politicagem e clima olímpico não se misturem. Os russos provavelmente gastaram todo o dinheiro do orçamento em vodka.

New York é um exemplo à parte. Ao perder o direito de sediar as Olimpíadas, a cidade pôde investir o dinheiro que seria gasto em estrutura de estádio e vila olímpica em coisas mais úteis e que os nova-iorquinos estavam realmente precisando, além de ter realmente cumprido boa parte da revitalização planejada se tivesse sido eleita. E, além de tudo, pôde fazer tudo com calma, tendo projetos de expansão do transporte público em andamento até 2014. Os ganhos para a cidade foram maiores do que se ela tivesse realmente sido escolhida para sediar os jogos – e é nisso que é baseado o título do artigo “How New York City won the Olympics”, de Mitchel Moss (novembro/2011) [link – pdf].

NYC – 2012

Mas Londres deu ao mundo uma olimpíada primorosa. A toda hora parecia que alguma coisa ia dar errado – e tudo beirou a perfeição. A rede de transportes foi impecável, a segurança foi constante e até o clima ajudou. O planejamento foi tão minucioso que deixa uma cidade sem elefantes brancos – grandes áreas foram revitalizadas e a Vila Olímpica foi propositalmente construída numa das regiões outrora mais pobres de Londres, Stratford (a meros quatro quilômetros aqui de casa); primeiro erro brasileiro, que está construindo sua Vila Olímpica na abastada região da Barra da Tijuca. O legado sustentável que as Olimpíadas deixam a Londres é inegável. Continuar lendo

Por que futebol nas olimpíadas é tão chato?

Não que eu não goste de assistir a Seleção Brasileira. Só que, enquanto passa o jogo, eu preferia estar estudando o comportamento das formigas, trabalhando numa repartição pública ou enchendo uma laje.

Certo, eu odeio de assistir jogos da Seleção brasileira. Adoro não ter que trabalhar e poder ficar tomando uma cervejinha com os amigos durante a Copa, por isso fico torcendo para a seleção chegar pelo menos até as semifinais (as finais são de domingo mesmo, então é indiferente pra mim). Nas Olimpíadas, nem isso.

Os jogos mais chatos que eu assisti durante as Olimpíadas foram de futebol. Eu dormi durante Brasil x Bielorússia – algo natural, se eu não estivesse no estádio, em Manchester. Assisti o segundo tempo da final e o meu kindle me impediu de dormir no bar em que eu estava.

Neymar is not impressed

Eu sempre quis saber porque eles não adicionavam o futsal nas Olimpíadas – e, porque não, o futebol de sabão! A politicagem entre FIFA e COI impedem isso.

É muito simples: Quem manda no futebol em em suas categorias derivadas (futsal, futebol de sabão, futebol de rua, carimbada, bobinho, gol-a-gol) é a FIFA. A entidade, para os mais desinformados, têm o seu próprio torneio quatrienal, que aliás, é um sucesso televisivo maior que as Olimpíadas. Tornar o futebol olímpico divertido seria criar um concorrente para si mesma, por isso a FIFA limita que esportistas maiores de 23 anos disputem o campeonato (só são permitidos três por seleção). Como uma copa do mundo feminina não é algo devidamente atraente, não há essa restrição para as garotas, e é por isso que o futebol feminino é mais legal que o masculino nos jogos Olímpicos.

E o futebol de salão? A FIFA libera totalmente e até incentiva que a modalidade seja acrescentada aos jogos. Mas aí é o COI que não quer. O esporte mais popular do mundo com certeza daria uma bela audiência às Olimpíadas se fosse disputado em toda sua plenitude. E é essa a moeda de troca e a disputa entre as duas entidades: Se a FIFA tirar as limitações futebolísticas ao esporte em seu evento, o COI adiciona o futebol de salão como modalidade olímpica.

E, por causa dessa briga, o futebol olímpico masculino vai ficando como evento pra brasileiro ver. A verdade é que só a terra das bananas parece realmente se importar com os jogos do esporte bretão enquanto tanta coisa mais legal está acontecendo. Mesmo que vez ou outra nos brinde com revelações como Mohamed Aboutrika, o jogador sensação de 2012.

Sport Guessing

“Aquele é corredor… só pode ser”; “Olha um grupo de ginástica rítmica do Japão passando ali”; “E mais uma levantadora de peso ali do outro lado, olha!”; “Aquelas dividindo uma salada devem ser do nado sincronizado sueco”…

Sport Guessing foi a minha modalidade favorita nos jogos Olímpicos de Londres. O esporte consiste em andar ali pela região da Vila Olímpica e adivinhar o esporte dos atletas que também estão andando por ali. As dificuldades na popularização da modalidade é evidente: geralmente não há vencedores porque ninguém se dispõem a ir lá perguntar para aquele chinês “você é um especialista em argolas?”

“Olha um competidor de marcha atlética! Ou alguém apertado pra ir no banheiro!

Não se deixe enganar: é uma atividade divertida. Aquele cara correndo só pode ser do atletismo; aquele negão pulando a barreira do metrô faz corrida de obstáculos; uma velha tão puta no metrô é uma treinadora de ginástica sérvia… E toda esportista um pouco mais obesa era considerada uma levantadora de peso, o que fazia do esporte a maior delegação das Olimpíadas, pelas nossas contas.

Foi só depois de identificar o time de basquete da Bulgária que percebemos que os búlgaros não se classificaram no esporte, somente no vôlei. Apesar de não entender direito porque um país manda seu time de basquete para jogar vôlei, eles fizeram um bom trabalho e ficaram em quarto lugar. Continuar lendo

O triste fim de uma piada

Na noite de ontem, o mundo acompanhou atônito a morte de uma piada. A relação do Corinthians com a Libertadores vinha divertindo gerações há anos e, apesar de já estar perdendo sua força por conta da repetição, ela nunca chegou a perder a graça, todos os anos conseguindo se renovar um pouco, com a ajuda de times colombianos e chorosos torcedores.

Funeral de piada

Boas piadas também morrem.

O desespero é grande no mundo do humor. A construção da arena do Corinthians já vinha sendo motivo de preocupação. Com estádio e Libertadores, as jocosas referências dos outros times vão ter que focar em alguma outra coisa que os corinthianos não tenham, tais como: ficha limpa na justiça, ensino médio, dentes ou pai.

“Acredito que vamos ter que nos reciclar agora. Se o Niemeyer morrer e a Preta Gil emagrecer, vou ter que jogar fora tudo o que eu construí durante toda minha carreira”, declarou um humorista de twitter que preferiu permanecer anônimo.

A adaptação é rápida, entretanto. Após ganhar uma Libertadores, por exemplo, um corintiano não desliga mais seu PlayStation, só retorna de seu indulto.

Apesar das recentes dificuldades que o esporte vêm apresentando ao mundo do humor, a classe não tem medo da escassez de anedotas. “Ainda temos a política”, disse um desconhecido humorista de qualidade questionável, “A política nunca falha em nos revoltar e prover-nos de conteúdo para piadas.”

Haters gonna hate

Use nos comentários toda a sua falta de habilidade em interpretação de texto.

Sobre os Jogos do Corinthians

Agora, qualquer um poderá disputar os jogos do Corinthians.

A Estrela lançou uma linha de jogos de tabuleiro com o tema “Corinthians”. São jogos clássicos, como Cara-a-Cara, Quebra Cabeça e Banco Imobiliário. É uma iniciativa legal, afinal, sem estádio, o Corinthians pode agora ter jogo em qualquer lugar.

Cara-a-Cara

Um jogo traumático para o Ronaldo. Principalmente quando ele faz a pergunta “É homem ou mulher?”

Banco Imobiliário

O objetivo do jogo é construir um estádio. O Andrés Sanchés tá numa partida dele há alguns anos.

Tabuleiro do Banco Imobiliário do Corinthians

Tabuleiro do Banco Imobiliário do Corinthians

Além do tabuleiro, outra coisa legal do jogo são as cartas de sorte ou revés:

  • Sorte: Raí batendo pênalti
  • Revés: Você contratou o Gustavo Neri
  • Revés: Você está na Libertadores. Prepare-se para decepcionar a torcida
  • Sorte: Paulo Nunes está no outro time
  • Revés: Atualizaram o site da Fifa. Esqueceram do seu título mundial
  • Sorte: Juiz argentino contra um clube de pouca expressão

Quebra-Cabeça

É um quebra cabeça de poucas peças, mas ainda assim bem complicado. O objetivo é formar um time tendo peças como Jucilei, Boquita, Souza, Ralf…

Alguns clubes podiam seguir a mesma lógica. O Flamengo já tem material suficiente para lançar um jogo de Detetive. O São Paulo deve investir numa versão do Ken com o uniforme tricolor e uma repulsão natural pela Barbie. Poderia também ter um jogo de War envolvendo todas as torcidas organizadas. Seria bem mais saudável do que o Live-Action que essas torcidas promovem de vez em quando.