Roteiro da baixa gastronomia de São Paulo #3

Um guia com os piores lugares para se comer mal sem gastar muito em São Paulo

Quickies
Ladeira Porto Geral, 14
Salgado
Custo total: R$2

Em um espaço de menos de quatro metros quadrados, no topo da ladeira Porto Geral, no centro, fica a menor lanchonete da cidade. Se é que um punhado de máquinas automáticas de salgados podem ser considerados uma lanchonete. O conceito foi trazido a São Paulo pelo empresário Marcus Vinicius de Lima, inspirado em uma rede similar holandesa, que teria feito um investimento de R$8 milhões na idéia. Em geral apenas um funcionário trabalha no interior das máquinas, repondo os salgados.

Mais direto impossível: as moedas são colocadas na máquina – que não dá troco, mas se você quiser, pode trocar seu dinheiro em outra máquina – e você abre a janelinha que tiver o salgado que parecer mais apetitoso ou menos repugnante, depende da sua sorte no momento. As descrições dos salgados se encontram no topo das colunas de janelas, e uma coluna pode ter mais de um tipo diferente de alimento, assim, pode ser um exercício de observação e astúcia escolher o salgado desejado.

Fui direto nas janelas de R$2,00, onde podia escolher entre o Kaasoufle, descrito como um pastel empanado de queijo cremoso ou o Bami, um suposto “Empalhado de talharini, frango e legumes”. Na minha humilde concepção, talharini era um tipo de macarrão, mas eu estava em uma época confusa da minha vida e provavelmente pediria ajuda para os universitários do Show do Milhão se tivesse que responder uma pergunta sobre pratos tipicamente italianos. Qual o problema do Quickies com coxinhas, esfihas de carne ou risoles de queijo? Até os croquetes de carne tinham sabores inusitados como goulash.

Depositei duas moedas de um real na máquina – o equivalente a duas refeições completas no Bom Prato – e, ainda meio confuso com o funcionamento de uma tecnologia culinária tão avançada, fui abrir a janelinha do salgado que parecia maior. A maçaneta estava quente e resistiu ao meu puxão, por isso hesitei. “É só puxar, senhor.”, disse um funcionário que acompanhava minha epopéia a uma certa distância, me deixando ligeiramente acanhado pelo repentino contato humano que não devia fazer parte da experiência.

Peguei o salgado, fechei a janela, cumprimentei o homem com um tímido “obrigado” e segui andando em direção ao Pátio do Colégio, enquanto mordia meu empanado. Eu estava certo: Talharini é um tipo de macarrão. É uma experiência inusitada: é como se eu tivesse pedido um prato para viagem, “mas ao invés de colocar numa marmita, você pode embrulhar ele em um invólucro de empanado?”

Meu salgado de macarrão

Meu salgado de macarrão

Comi o lanche como ele deve ser saboreado: com pressa, olhando para baixo, sem maiores interações com seres humanos, nem sequer olhar nos olhos de outras pessoas. O Quickies é claramente uma rede de fast food para pessoas que preferem comer um salgado requentado de gosto duvidoso do que ter que falar com desconhecidos, característica que surpreendentemente atinge uma boa gama de pessoas que eu conheço e que com certeza tem um público alvo vasto numa cidade como São Paulo. Em defesa da iguaria, o empanado ainda estava crocante e o recheio quente e levemente apimentado, apesar da estranheza inicial do macarrão.

Mas, se hoje ninguém mais estranha um pastel sabor pizza, pode ser uma boa tentativa para os inovadores pasteleiros de feira a criação de sabores como “spaghetti à la puttanesca” ou “penne all’arrabbiata”. Aguardemos.

***

Café Armênia
Rua Pedro Vicente, 177
Hamburguer com suco
Custo total: R$5

A poucos metros da saída norte do metrô Armênia em frente à entrada de um estacionamento, um trailer desponta com seu cardápio exposto em sua fuselagem (onde por falta de manutenção, todos os produtos custam 8,88). Duas cadeiras de plástico ficam em frente a duas grandes lixeiras, o que mostra que a posição da área de alimentação não foi muito bem planejada – ou foi planejada bem demais. Uma placa dizia “Proibida a entrada de homens sem camisa neste recinto”. Em qual recinto, se éramos servidos na rua?

Salgados e sanduíches ficam expostos em vitrines de vidro. Pães de queijo do tamanho de bolinhas de gude aglutinavam-se à direita (sete por R$1,00). Hamburgueres completos já preparados com queijo e salada se empilham não tão convidativamente atrás de um vidro. Optei pelo hambuguer, que parecia a especialidade da casa (R$3,00).

“Você vai querer prensado?”, perguntou a atendente, jovem e simpática. “Pode ser!”, respondi, achando que aquele negócio comprimido seria mais fácil de ser ingerido. Ela então primeiro colocou o lanche no microondas por 30 segundos – somente o suficiente para dar ao alface aquela aparência escura e consistência emborrachada. Depois, remanejou bandejas e equipamentos no apertado trailer para livrar espaço para a prensa, aonde colocou o lanche. “Tá bom assim?”, perguntou depois de um tempo de prensa utilizada. “Pode ser!”, repeti minha resposta, deixando claro que, se estava comendo ali, não tinha mesmo muitos critérios alimentícios.

Para acompanhar, pedi um suco Frutix de laranja com acerola (R$2,00). Ao meu lado, um homem que podia ter entre 40 e 80 anos que comia uma coxinha (R$2,00) e não tinha nenhum dos dentes superiores entre os caninos pediu um pouco do meu suco. Pedi um copo à atendente e servi aproximadamente 1/3 de meu vasilhame ao homem. Ele agradeceu e começou a explicar, em um dialeto de português quase incompreensível, que acabou de chegar do Ceará, não tinha dinheiro e estava ali esperando o cunhado dele buscá-lo, ou alguma coisa nesse estilo.

Peguei o pote de catchup (um pouco doce demais) e maionese (que tinha a consistência de um fluído não-newtoniano) e fui comer apoiado em uma alta mesa de madeira com o logo da cervejaria Ravache, apesar do lugar só vender Skol e Itaipava, enquanto apreciava o atendimento exemplar da moça que elogiava os avanços na educação do que parecia um cliente recorrente (“Muito bem! Pediu até por favor dessa vez!”, dizia ela).

O lanche não era nenhuma especialidade da hamburgueria nacional, mas também não era ruim como uma pizza vegana. Provavelmente eu esperava tão pouco dele que ele acabou me surpreendendo positivamente. O resto do meu péssimo suco avermelhado foi doado ao cearense que tive que abandonar e nunca saberei se ele foi realmente resgatado pelo cunhado.

Café Armênia

Lanchonete completa

+ MAIS +

Outros roteiros:

Roteiro da baixa gastronomia de São Paulo #2
Roteiro da baixa gastronomia de São Paulo #1

Para comer:

Quickies: Ladeira Porto Geral, 14
Café Armênia: Rua Pedro Vicente, 177
Estomazil: Em qualquer farmácia

Se você tem alguma sugestão de lugar ruim e barato, deixe aí nos comentários que ela será levada em conta.