Pequeno manual de humor ofensivo

O brasileiro sempre teve dificuldade em definir os limites do humor, mas no passado estava tudo bem porque as pessoas costumavam se concentrar em coisas realmente importantes, como a fome mundial, as guerras e os 12 problemas bucais que um ser humano pode ter. No entanto, ultimamente, a patrulha do politicamente correto – formada por pessoas com uma grande falta de sexo e um ainda maior excesso de tempo – vem se dedicando a estudar as piadas que circulam por aí.

Mate o piadista!

“Nossa! Pensei numa piada ótima agora!”

Com um tridente numa mão, um crucifixo na outra e gritando “Fogueira aos humoristas!”, a Patrulha Aburguesada Unânime (PAU) tenta impor limites às piadas que os humoristas têm contado. Em revide, a frente dos Humoristas Inconsequentes Moderados E Negativistas (HIMEN) tenta bater de frente com ela, empurrando os limites do humor para o mais longe possível.

Como nas lutas entre PAU e HIMEN, esse último costuma perder, nós resolvemos criar esse “Pequeno Manual do humor ofensivo” para auxiliar o grupo dos humoristas a entender até onde eles podem ir nas suas piadas:

  • Piadas com negros: racismo
  • Piadas com homossexuais: homofobia
  • Piadas com a política: anarquista
  • Piadas com a direita: comunista
  • Piadas com a esquerda: fascista
  • Piadas com a anarquia: reacionário
  • Piadas com humoristas: hipocrisia
  • Piadas com mulheres: machismo
  • Piadas com pedofilia: infantilidade (ironicamente)
  • Piadas com gordos: bullying
  • Piadas com autistas: irresponsabilidade
  • Piadas com os Estados Unidos: terrorismo
  • Piadas com o Oriente Médio: americanismo
  • Piadas com a África: colonialismo
  • Piadas com o Brasil: traição à pátria
  • Piadas com outros países: ufanismo
  • Piadas com nordestinos: xenofobia
  • Piadas com pobres: elitismo
  • Piadas com católicos: heresia
  • Piadas com judeus: anti-semitismo
  • Piadas com mortos: insensibilidade e desrespeito
  • Piadas com estupradores: apologia ao crime
  • Piadas com sexo: perversão
  • Piadas com a falta de sexo: deprimente
  • Piadas com a masturbação: virgem
  • Piadas com virgindade: ultrapassado
  • Piadas com futebol: clubismo
  • Piadas com a mãe dos outros: filha-da-putagem
  • Piadas com própria mãe: complexo de Édipo
  • Piadas com a classe média: covardia e indiferença

O que pode?

  • Piadas com loiras: se elas não entenderem, ótimo.
  • Piadas com papagaios: pode, desde que sejam repetidas pelo próprio papagaio.
  • Piadas com portugueses: perfeitamente normal e aceitável. Até incentivado
  • Piadas com japonês: pode, mas só se você comprar mais de 3 pastéis na barraca dele.
  • Piadas com alemães: faça tranquilo. Bêbado acha qualquer coisa engraçada.
  • Piadas com argentinos: pode, desde que não seja piada.
  • Piadas com prostitutas: até pode, mas se é pra fazer alguma coisa com elas, sugerimos sexo.
  • Piadas com médico: faça normalmente. (P.S.: nessa categoria não se encaixam dentistas nem podólogos)
  • Piadas com enfermeira: é aceitável, desde que seja com enfermeiras mulheres. Se for com homens, já cai na questão do homossexualismo, o que é proibido.
  • Piadas com sogra: Têm que ser como sexo: devem acabar depois do casamento.
  • Piadas com caipiras: pode, pelo menos enquanto a internet não chega ao interior.
  • Piadas com impotência: são permitidas, mas desnecessárias. As mulheres já vão rir da situação em si.
  • Piadas com esposa: pode, mas ela fica com 50% da autoria.
  • Piadas com amante: só pode se já tiver sido feita uma piada de esposa.
  • Piadas com viúva: piadas são permitidas, cantadas não.
  • Piadas com mulher feia: falando sério… e precisa?

Piada em debate

Piada em debate

"A piada cumpre um importantíssimo papel social"

O português andava na rua com um papagaio no ombro quando alguém chegou e perguntou:
– Belo animal! De onde ele é?
– De Lisboa – respondeu o papagaio.

CORRETO!
A piada segue todos os passos de um humor do bem. O papagaio não é maltratado

***

O negro andava na rua com um papagaio no ombro quando alguém chegou e perguntou:
– Belo animal! De onde ele é?
– Da África – respondeu o papagaio.

ERRADO!
É uma piada racista e que não deve ser jamais contada sob risco de processo.

***

O negro foi à farmácia e pediu:
– Moço, me dá esparadrapo cor-da-pele.
– Olha, fita isolante é ali do outro lado.

(Marcelo Marrom)

CORRETO!
O Marcelo Marrom, na condição de afro-descendente tem total liberdade para fazer piadas da própria minoria.

***

– Você é cego total?
– Não senhora. Só até as 6 horas. Depois eu sou motorista de ônibus.

(Geraldo Magela)

Estou tentando minha carreira no humor. Tem o José Simão. Eu sou o José Sem-mão.

(José Luiz Martins)

Na próxima encarnação quero ser jabuticaba. Crescer grudada no pau e morrer chupada.

(Nany People)

CORRETO!
Essas piadas são absolutamente corretas: o Geraldo Magela é cego; o José Luiz Martins é deficiente; e a Nany People… é a Nany People. Sendo assim, eles podem fazer livremente piadas com a própria classe, afinal, gay homofóbico parece sinopse de personagem da Praça é Nossa. E se pode passar na Praça, então não é ofensivo.

***

Eram duas bichas que passavam o dia pedindo esmolas na porta da igreja. Uma era cega e a outra paralítica. Ambas se odiavam.
De repente, a paralítica comenta:
– Olha que rapaz bonito!
E a cega:
– Corre lá e abraça ele!

ERRADO!
Quer fazer piada de cego? Fure os próprios olhos. Quer fazer piada de deficiente? Ampute uma perna. Quer fazer piada de gay? Vai ouvir Restart até gostar.
Essa piada é absolutamente errada pois afeta 3 minorias de uma só vez.

***

Um português e uma loira entram num bar. E ambos concordam com as escalações do Dunga.

ERRADO!
Apesar de fazer piada com português e loira, dois assuntos extremamente aceitáveis, todos sabemos que futebol no Brasil é sagrado. Brigas generalizadas tudo bem, mas são as piadas que realmente machucam o torcedor brasileiro.

***

Lembrem-se: se não fosse por ultrapassar os limites, o Brasil hoje seria do tamanho da Argentina.
E, no fundo, não existe humor ofensivo. O que existe são pessoas que se ofendem com o humor.

Everybody deserves to be tretated equally!

Xinguem ele também:
Marcelo Marinho

@Celo_Marinho

Este texto foi escrito em parceria com o sensacional Marcelo Marinho.
Se você tem um twitter, deve obrigatoriamente seguir o @Celo_Marinho e se gosta de humor também deve acompanhar o blog dele: http://oceloperdido.wordpress.com
Se não o acompanha, não sabe o que tá perdendo.
  • Elkestreit

    Só uma retificação: quem vende pastéis é chinês, não japonês.
     

    • Isso é preconceito contra todos os chineses pasteleiros por este mundo afora.

      Vou abrir um processo.

  • Pauloheriquedemartins

    Muito bom post! hahahah

  • luaninhatop

    Quem foi que disse que piada com loiras, ASIÁTICOS (não apenas japoneses), portugueses, alemães, argentinos, prostitutas, caipiras, impotências e mulheres feias estão permitidas??
    É óbvio que não estão. Qualquer piada que possa ofender qualquer pessoa não é aceita. Isso não é mimimi, é ter compaixão pelos outros. Tenho certeza que você não gostaria se fosse um alvo de piada, já que claramente não se importa com o que faz os outros se sentirem mal.