Ciudad de Mexico: A Zona Leste do mundo

No meu regresso da Califórnia em novembro, peguei um vôo que fazia escala na Ciudad de Mexico. Aproveitando-me das maravilhas oferecidas pela não necessidade de visto devido ao fato de portar um passaporte de origem européia, resolvi conhecer as nobres terras mexicanas.

Merda!

DSC00075.JPG

Nobre flâmula mexicana

Já ouvi relatos bem desagradáveis sobre a capital mexicana. É bem pior do que parece, entretanto. Pra começar, logo que cheguei comecei a me sentir muito mal por não ter um bigode. Se até as mulheres têm, é porque eles devem considerar algo realmente importante. Depois dessa viagem, tenho até a impressão de que os mexicanos só deixam o bigode crescer para ficarem mais parecidos com a mãe.

Conhecendo assim o povo mexicano, finalmente entendi porquê a tequila é tão forte. É uma questão de procriação da espécie. Só mesmo com muita tequila os mexicanos conseguem manter alguma relação entre eles.

O aeroporto da Ciudad de Mexico não tem nem lugar pra sentar. Acho que o pessoal estava preferindo ficar por lá do que sair pela cidade.

O México, entretanto, tem algumas coisas interessantes… Tem um cara lá que deve 14 meses de aluguel, por exemplo. Tem também taco, que lá é praticamente uma versão ainda mais porca de nosso churrasco grego. Eles são servidos em pratos embrulhados em um saco plástico para que não seja preciso lavar a cada cliente. Tenho que concordar que é bastante inteligente. Outra coisa mexicana mundialmente conhecida: Gripe suína. Logo no aeroporto você é filmado por uma câmera com sensor de temperatura. Por sorte eu sou um cara frio.

E tem coisas realmente muito boas no México. A fronteira com os Estados Unidos, por exemplo. Um outro ponto positivo do país é que as três melhores coisas do México podem ser apreciadas sem ter que ir pra lá: Chaves, tequila e Salma Hayek.

Foi bom deixar a Ciudad de Mexico para o fim. Depois de conhecer tantos lugares maravilhosos, pessoas interessantes, cidades que funcionam, foi ótimo ir finalmente pra um lugar pior que São Paulo. A única coisa que podia ser melhor, que é o trânsito, empata.

DSC00103.JPG

Festival Nacional da gripe suína

Depois de 9 horas passeando por lá, deixei o México levando três ótimas tequilas, uma dúzia de fotos da catedral do México e da festa noturna que encontrei e livre de medos caso o avião caísse. Se eu morresse e fosse pro inferno, não teria como ser pior que a Ciudad de Mexico.